Blogger templates

28 de jan de 2013

Os Dez Melhores Quadrinhos de Todos os Tempos!



Em 2010, Marcio Baraldi, o então responsável pela coluna "Os Dez Melhores para..." do finado e saudoso site Bigorna.net, me entrevistou querendo saber quais eram os meus quadrinhos preferidos de todos os tempos.
Relembrei disso um tempo atrás e achei legal compartilhar novamente com os leitores do meu blog!
Vamos a lista!


A matéria começava assim:


Os Dez Melhores Quadrinhos de Todos os Tempos

Por Vini Visentini

"Quem bradou aos quatro ventos seus dez gibis preferidos esta semana foi o desenhista do personagem Homem-Grilo (de Cadu Simões), o paulista Vini Visentini, que também é responsável pelo blog Submundo Mamão. Vini deu uma aula de ecletismo e mostrou que um bom quadrinhista tem que estar atento a todos os gêneros. Por isso atacou de Mestre Eisner a Peanuts, de Manara à geração do Pasquim! A boa surpresa foi reconhecer a importância do hoje (quase) esquecido John Byrne, provavelmente o último mestre a revolucionar o gênero super-heróis, quando este ainda era um produto mais para entretenimento da molecada do que de adultos. Enfim ,um listão amplo, geral e irrestrito capaz de agradar grilos e troianos! Cri-Cri-Cri!..."



1 - Will Eisner, conjunto da obra


Ver uma HQ feita pelo mestre Eisner é além de um grande prazer de leitura, uma grande escola de como fazê-las! Os personagens, temas e cenários urbanos nos remetem ao nosso próprio cotidiano, facilitando nosso entendimento das histórias e nos identificando com certos temas abordados, fazendo com que a gente fique pensando sobre aquilo. A maneira com que ele se utilizava dos balões, dos quadros e dos títulos, fazendo com que eles interagissem com as histórias, é algo no mínimo fantástico de se ver! 














2 - Cavaleiro das Trevas - Frank Miller

Cara, tai uma revista que salvou a vida do Batman! Sempre vítima de chacotas de caráter homofóbico, o personagem vinha passando por uma fase não muito significativa na época e pelo fato da grande concorrente da DC, a Marvel, sempre estar na frente quanto a assuntos mais sérios em suas histórias, Miller nos trouxe um novo patamar no que diz respeito a se contar uma história, com uma HQ que revolucionou a maneira de se apresentar os quadrinhos no mundo, trazendo novos olhares sobre Batman, mas principalmente sobre a indústria dos quadrinhos, com histórias mais sérias, direcionada a um público mais adulto. A história gerou grandes frutos importantes na vida do personagem como a Morte do Robin e norteou outras grandes histórias, trazendo um clima mais soturno, como O Messias, As 10 Noites da Besta e O Longo Dia das Bruxas, esse último um dos itens importantes para a feitura do majestoso filme dirigido por Christopher Nolan, lançado recentemente e baseado em suas páginas.

3 - Watchmen - Alan Moore e Dave Gibbons

Essa HQ foi lançada na mesma época do Cavaleiro das Trevas e foi a responsável pelo advento do título “Graphic Novel” para HQs com temas mais adultos. Série premiadíssima com prêmios Eisner, Kirby e até um prêmio Hugo que é mais voltado a literatura, um marco na evolução dos quadrinhos mundiais, a trama mostra um presente sombrio, situada na década de 80 mesmo, com o país vivendo um momento delicado durante a guerra fria entre os EUA e a União Soviética e onde aventureiros fantasiados eram comuns. Lembro bem como me encantei pela narrativa cinematográfica de Watchmen, que retratava os super-heróis como indivíduos verossímeis, que enfrentavam problemas éticos e psicológicos, mostrando-os lutando contra suas neuroses e defeitos, totalmente diferente dos arquétipos de super seres que eram coisas tradicionais do gênero. Já li umas 5 vezes essa série e nunca me canso!

4 - Os Mortos-Vivos - Robert Kirkman

Uma HQ recente mas que pra mim já virou um clássico! Há muito tempo eu não via quadrinhos falando sobre zumbis que fossem tão bons de acompanhar! Pode se dizer que Kirkman está para os quadrinhos sobre este tema, assim como George Romero está para o cinema usando zumbis e muita crítica social embutida naquilo. Imaginem ser uma minoria num mundo ameaçado por criaturas mortas-vivas, onde você tem que formar novas “famílias” e lutar dia-a-dia pelo sustento e sobrevivência! Kirkman explorou muito bem esses pontos em seu trabalho, misturando o terror da figura do zumbi com o terror psicológico de estar vivendo aquilo e atingindo o limite da condição humana. É a sobrevivência do mais forte. E é aí que a gente vê como nós humanos podemos ser tão generosos quanto gananciosos e mesquinhos.



5 - Hellboy - Mike Mignola

Primeiro pela criatividade de Mignola e outra pelo seu belo traço. Ele conseguiu fazer com que suas histórias, que eram na verdade para serem histórias de suspense e terror, se utilizando de monstros, atividades paranormais e etc., se tornassem quadrinhos que seriam consumidos por leitores que se interessavam muito mais pelo gênero de super-heróis, fazendo com que seu personagem fosse elevado ao patamar de super-herói também, coisa que ele evidentemente não é! A arte de Mignola é fabulosa, com todas aquelas nuances de sombras e traços característicos e os roteiros muito bem construídos e pesquisados. Há várias histórias que são baseadas em lendas que são contadas a séculos de geração em geração. Coisas que vem desde a África quanto da Irlanda. A originalidade de seus personagens também é um ponto fortíssimo na série. Uma série que até o momento não teve nenhum ponto baixo e espero que continue assim por muito tempo! 

6 - Quadrinhos Nacionais, como Chiclete com Banana, a Circo, Piratas do Tietê, Níquel Náusea, Pasquim, pelo conjunto da obra.

Não há como negar que Angeli, Laerte, Henfil, Spacca, Newton Foot, Fernando Gonsales entre outros, foram os caras que chutaram a porta para que os artistas nacionais pudessem hoje estar aí fazendo suas histórias. Essa galera representa muito nosso traço, nosso estilo e nossas histórias em quadrinhos! Lembro que passava tardes inteiras lendo e tentando copiar os desenhos das revistas que eu tinha, todas escondidas da minha avó que não podia saber que eu andava lendo aquelas sacanagens! Muito moleque aprendeu muita coisa da vida ali naquelas páginas. Já disse antes no meu blog e faço questão de repetir, esses foram os responsáveis por eu amar tanto quadrinhos e querer fazer parte de sua história! 








7 - Os clássicos gringos, tipo Calvin, Asterix, Tin Tin e Peanuts pelo conjunto da obra.


Lendas das HQs! Schulz (Peanuts) foi um dos grandes autores do gênero, influenciou um monte de gente com suas histórias e seus personagens, que são considerados até hoje. Charlie Brown é o cara! Bill Watterson (Calvin) também influenciou bastante só que na área das tiras. Uma das melhores séries já feitas na História dos quadrinhos! Os franceses Albert Uderzo e René Goscinny sempre me agradaram com suas histórias que mostrava um monte de coisa sobre os costumes da época, bastante geografia e homéricas lutas dos gauleses contra os coitados dos romanos, aqueles loucos! Tin-Tin também tinha um lance voltado para ensinar a molecada sobre geografia, história, mas andaram pisando na bola em algumas histórias que chegaram a ser tidas como preconceituosas, mas mesmo assim vale a pena lê-las. 

8 - John Byrne, conjunto da obra

Podem falar o que for, John Byrne foi um grande nome dos anos 70-80 na Marvel e logo após na DC com seu Superman! Ele revolucionou vários personagens com suas idéias e seus traços. Junto com Chris Claremont ele elevou os X-Men a um patamar que dificilmente alguém conseguiu depois, com a grande fase da Fênix Negra e o Clube do Inferno. Fez com que equipes de 2° escalão como a Tropa Alfa fosse um dos títulos mais vendidos da época, e olha que era uma equipe canadense e Byrne chegou a declarar várias vezes que ele odiava aquele grupo! Imagina se amasse? Levantou personagens como a Mulher-Hulk, criou uma nova gênese para o Homem de Aço e fez um trabalho notável com o Quarteto Fantástico e o Hulk! Queiram ou não, ele é o grande responsável pela fama que o Wolverine tem hoje. Não que isso seja bom, pois acabaram com o nanico logo depois! Ele chegou a fazer os roteiros do primeiro arco de Hellboy, e o personagem só cresceu depois disso. Falar mais o quê?


9 - A Queda de Murdock - David Mazzuchelli e Frank Miller

Grande história do personagem. Ela mostra a vida de Murdock virando de cabeça para baixo, quando sua ex-namorada, Karen Page, que é viciada em drogas vende a identidade do Demolidor a um traficante, que a revende ao Rei do Crime. O Demolidor passa por provações que testam sua capacidade psicológica, física e até a sua fé. Uma das primeiras HQs que li feitas pelo Miller, que a escreveu de uma forma genial e revolucionária! Depois disso, lembro que as histórias do Demolidor ficaram cada vez melhor. Ainda mais depois que elas começaram a ser desenhadas pelo Romitinha! 













10 - Cara, é difícil escolher só dez! Então a última escolha é só um toque para que vocês leiam coisas como Clic! ou qualquer coisa de Milo Manara, a coleção da Heavy Metal, principalmente a saga, A Casta dos Meta-Barões, escrita por Jodorowsky e ilustrada porJuan Gimenez, Persépolis de Marjane Satrapi e Maus de Art Spiegelman!






Publicado originalmente aqui.

Nenhum comentário:

Postar um comentário

Comentaê

LinkWithin

Related Posts Plugin for WordPress, Blogger...